fbpx
10 dicas para você que quer montar um Minimercado

10 dicas para você montar um Minimercado

No artigo anterior a este, escrevi sobre o aprendizado que podemos tirar dos Minimercados, visto ser um modelo de negócio bastante comum e altamente valorizado. Portanto, aqui como gestor estratégico, listei 10 dicas para você que quer montar um Minimercado:

 

1 – Qual é o público do seu minimercado?

As estruturas mudam de popular a um minimercado mais elitizado. Contudo, se você quer abrir um minimercado, precisa dessa definição. Isso vai te ajudar a organizar todo o seu projeto para que se torne convidativo e se conecte com o público.

 

2 – Comece pelo planejamento

No momento que você conhece como funciona o mercado da sua região, identifica as lojas mais próximas, o perfil dos compradores e as suas necessidades, consegue montar uma estratégia muito mais eficaz. Coloque tudo no papel: falta alguma coisa? O que você acredita que pode ser uma boa ideia? Quanto cobram na região? O que não tem por perto e que a pessoa precisaria atravessar a cidade para comprar, por exemplo um bolo de aniversário? Quanto você tem para investimento, as localizações que pensou etc. Essas são algumas informações que possibilitam ter uma noção do cenário. Isso ajuda a evitar alguns erros e a aproveitar oportunidades que ninguém ainda pensou em oferecer.

 

3 – Você precisa legalizar seu minimercado

Aqui entra a figura do contador, escolha uma empresa de contabilidade. Eles vão cuidar de todo o trâmite da abertura e aquisição do seu Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ). Só que além disso, você também precisará ir até a Prefeitura verificar quais são as exigências para o alvará de funcionamento. Também é necessário conseguir a licença da Vigilância Sanitária e do Corpo de Bombeiros. Isso te dará uma noção de custos de investimento. Siga as exigências da Vigilância Sanitária para compor toda estrutura.

4 – Localização é essencial

Para definir a localização do minimercado é preciso avaliar qual é o seu objetivo, o público-alvo, como é o perfil de quem mora na região, se tem concorrência ou não, se é uma região de fácil acesso, se tem área para carga e descarga e se o imóvel oferece as condições básicas para esse tipo de instalação. É fácil estacionar e/ou tem ponto de ônibus por perto? Tem poste de luz na frente, é iluminado à noite ou no final da tarde? Veja se o local é seguro e também entenda que é importante o empreendimento caber no seu orçamento, seja comprado ou alugado.

 

5 – Estrutura necessária de um minimercado

Para a estrutura, eu sigo o seguinte escopo:

Estoque e expedição;

Banheiros e vestiários;

Área de vendas;

Linha de frente (onde ficam os caixas);

Área para a Administração;

Área externa (estacionamento e onde ficam os carrinhos e cestas).

 

6 – Equipamentos necessários

Eles podem variar de acordo com o projeto que você tem em mente, em geral são:

Expositores / Gôndolas / Carrinhos (pense no fluxo dentro do local ou opte por cestinhas) / Estrutura de apoio para o caixa (mesa, balcão) / Computador e impressora fiscal / Maquineta para passar cartão / Ar condicionado / Ventiladores / Mobiliário, computadores para área administrativa.

 

7 – Mix de Produtos para compor uma boa compra

lista de produtos para minimercado separando-os por setores:

Alimentos

Esse é um dos pilares do negócio. Estamos falando de alimentos industriais ou commodities, como:

Arroz / Feijão / Macarrão / Leite / Açúcar / Farinha / Sal / Molho de tomate / Massas / Latarias / Biscoitos.

 

Hortifruti

Procure compor o setor de acordo com os produtos que são mais procurados, como cebola, tomate, cenoura ou batatas.

Se você tiver condições, também vale a pena investir naqueles expositores refrigerados para produtos mais delicados, como as folhas. Se tem na sua clientela pessoas fitness ou veganas, esse investimento será crucial.

 

Frios

Os itens podem variar de acordo com o público-alvo, mas abaixo vou te dar algumas ideias:

Presunto / Queijo / Salame / Requeijão / Lasanhas congeladas / Hambúrguer / Iogurtes.

 

Conveniência

Refrigerantes / Energéticos / Água / Sucos / Água de coco / Cerveja – aqui vale lembrar que as cervejas artesanais são as que mais cresceram no período de pandemia / Tenha uma pequena reserva de Vinhos / Boas Cachaças farão a diferença no seu ponto de venda / Whisky só se for de boa procedência / Vodcas e Gin/ Chocolates / Balas / Pilhas / Lâmpadas.

 

Produtos de higiene pessoal

Monte um mix básico: Shampoo e condicionador / Creme de cabelo / Gel para cabelo / Sabonete / Lâminas de barbear / Loções pós-banho / Creme corporal / Pentes e escovas de cabelo / Escova de dente / Creme dental / Enxaguante bucal / Papel higiênico / Fralda / Cotonete Algodão / Esmaltes / Acetonas.

 

Produtos de limpeza

Água Sanitária / Sabão em pó e em barra / Desinfetante / Detergente / Bucha de prato e bucha de aço / Prendedores de roupa.

Você também pode vender alguns produtos complementares, como itens para churrasco. Por fim crie um espaço para produtos de festas de aniversários e Doces caseiros.

8 – Divulgue e fale do seu minimercado para todos!

Ter um bom atendimento, boa estrutura, preços justos e até mais serviços que o comum, são formas de divulgar o seu negócio e chamar a atenção das pessoas, mas é preciso ir além disso. Pode ser um carro de som falando sobre o seu minimercado, pode ser um final de semana de panfletagem, pode ser uma ação na frente com música… Pense em como o seu público local reage.

Só que além dessas estratégias, nunca se esqueça do potencial que tem a internet. Só com o Facebook e o Instagram, por exemplo, você já consegue fazer um bom trabalho e atrair bastante gente. Se você não tem destreza com essas ferramentas, saiba que existem muitos profissionais que podem te ajudar a alavancar vendas, inclusive a minha equipe.

 

09 – Administração do seu minimercado é tudo!

Administrar bem seu minimercado é fundamental para ter sucesso. Não adianta saber montar se não souber cuidar. Existem cursos que podem te ajudar com isso, além de muito conteúdo gratuito na internet. Mas atenção: busque por fontes confiáveis e estude!

Essas são as ações principais para uma boa administração:

_ Benchmarking: Análise do mercado e constante da concorrência, novas oportunidades;

_Separar conta pessoal e da empresa;

_Organização do dinheiro que entra e sai;

_Controle de estoque;

_Criar um espaço para ouvir o feedback dos clientes e a partir disso fazer as mudanças necessárias;

_Controle do desempenho e satisfação dos funcionários;

_Controle de qualidade: desde a higienização dos setores, até a organização do ambiente;

_Criar padrões de Higiene.

 

10 – Tenha parceria com os melhores fornecedores

Lembre-se que oferecer produtos diferenciados e criar oportunidades formará a imagem do seu negócio. Portanto, antes de conhecer, é importante entender o cuidado e a preocupação que se teve para consegui-los.

Se o seu objetivo é ter margem de lucro, é preciso comprar direto de distribuidores, fabricantes e até grandes marcas. Mas com pouco poder de compras, isso pode se tornar um pouco mais difícil.

 

Para encontrar o fornecedor certo, acho que você precisa avaliar algumas questões:

_O produto é de qualidade?

_Esses produtos estão no radar de compras das pessoas da região?

_Qual é o preço e a quantidade oferecida pela empresa?

_Quais são os meios de pagamento?

_É possível trabalhar com consignação?

_A empresa é de confiança? Existem reclamações sobre ela?  Veja no site do Reclame Aqui. Reputação é tudo nesse ramo.

 

A partir da resposta a essas perguntas, você conseguirá filtrar melhor com quem pode ou não fechar negócio e terá ao seu lado, empresas com o mesmo objetivo: muito sucesso no seu empreendimento!

 

Nos acompanhe em nossas redes sociais para mais conteúdos como esse!

Marcelo Silvani

Quando escolhi o Design como profissão adentrei ao mundo da reengenharia, fenômeno de gestão dos anos 90. Em 2000 foi o início do Design de Serviços, fato este que os profissionais do Design vivem em plenitude. Reengenharia nas empresas poderia ser usada em três situações: - a primeira é quando a empresa está passando por graves problemas, e não tem outra alternativa se não começar de novo; - a segunda é quando a empresa ainda não se encontra em dificuldades, mas é possível prever futuros problemas e evitar passar por obstáculos; - e a terceira situação é quando a empresa tem um ótimo desempenho, e mesmo sem previsões de problemas futuros, opta por passar pelo processo de Design Estratégico para ganhar mais vantagem competitiva em relação aos concorrentes, e aumentar ainda mais seu desempenho, com a ideia de que ao refazer algo que já é bom, é possível alcançar algo ainda melhor! E é neste sentido que acredito: antever o futuro é hoje a condição de sobrevivência no mundo empresarial competitivo. Pensar em estratégia é pensar o futuro!

Leave a Reply

Your email address will not be published.